sábado, 26 de fevereiro de 2011

UM ABRAÇO AO ENTARDECER

Ponte das Artes - Paris ( foto gentilmente cedida por Simão Carvalho)

Não temos nome!
Somos simplesmente EU e TU.
Ao entardecer, numa ponte qualquer, "EU" olha o rio que passa, sereno, preguiçoso, cansado de tanto correr.
A luz, de um fim de tarde qualquer, ilumina as àguas desses rio, dando-lhe cores de prata, como se vestisse mantos bordados.
Debroçada nessa ponte, "EU" fecha os olhos e abre os braços, qual pássaro no prelúdio de um vôo livre, sem destino...
"TU" como brisa suave e fresca, chegas!
"EU" sente o cheiro dessa aproximidade fisíca, de pura paixão...
"EU", Inerte...imóvel, apenas ouve a sinfonia acelarada de um coração que bate mais forte.
"TU", lentamente, suavemente, entrelaças teus braços, como correntes, na cintura fina e delicada do "EU".As tuas mãos, cruzam sobre o ventre de "EU", como um cadeado que sela dois corpos, num só!
"EU" sente "TU"..."TU" sente "EU"...Juntos em simbióse perfeita, absolutamente perdidos neste abraço, esquecem que existe o mundo para além daquele momento.
Tudo  desaparece...não há ponte, não há rio, não há luz, não há vozes...apenas existe o "EU", o "TU" e um abraço ao entardecer, repleto de desejo e fogo de uma paixão suspensa.
E num tempo que não se mede, dois corpos assim entrelaçados, dois rostos olhando na mesma direcção, sem palavras, sem gestos, amam-se intensamente, profundamente...
Num abraço, "EU" e "TU" somos só "UM" !
...
Quando "EU" abre os olhos, está só em cima de uma ponte!
Percebe que aquele abraço ao entardecer tão perfeito, tão único, apenas tinha existido na forma de um sonho!
E, algures, num lugar distante, existe o "TU" que também sonhou com um abraço ao entardecer!
EME

Sem comentários:

Enviar um comentário