sexta-feira, 25 de março de 2011

MEMÓRIAS DE UMA NOITE NUM CAFÉ EM PARIS


Foto by Simão Carvalho in "Au comptoir" - Royal Pereire

Preâmbulo

Hoje, por mera coincidência, ao visualizar o álbum de fotografias "Au comptoir" de Simão Carvalho, deparei-me a foto de um café parisiense. De imediato a minha memória retrocedeu no tempo.
Há muitos anos, desloquei-me a Paris em trabalho. Acompanhavam-me vários colegas e, por coincidência, vivia em Paris, nessa altura, um grande amigo.
Atendendo que era a primeira vez que me encontrava na Cidade das Luzes, o Paulo, ofereceu-se para me guiar, nas horas livres, pelas ruas e lugares de Paris. Durante essa semana, tive direito a um cicerone de luxo. Conheci tudo ou quase tudo. Não houve lugar e recanto desta cidade que não me levasse. Às tantas da noite, quando chegava ao hotel, cansada, mas felicíssima, pegava num bloco e escrevia o diário do passeio. Foi assim durante 5 dias.
Numa das noites nevava (estávamos no início de Janeiro). Depois de deambularmos por Montparnasse, com dois graus negativos, o frio venceu-nos e fomos parar a um cafezinho, muito acolhedor, típico em Paris. Sentamo-nos com uma bebida bem quente à frente:  eu, dois colegas e este meu grande amigo.
O cenário era quase idílico: cores de carmim envolvia-nos, temperatura acolhedora, quente. Lá fora, flocos de neve coloriam a rua e ao fundo, a Torre Eiffel, iluminada, imponente!
Não sei se foi o ambiente, a envolvência íntima daquele lugar, apenas sei que, quando demos contar, estávamos num debate acalorado, melhor, apaixonante sobre a Vida, os Valores, as Relações humanas, a Filosofia...enfim, temas que fazem a diferença entre um serão assim, assim e uma noite inesquecível!
A diversidade intelectual presente naquela mesa, não poderia ser maior: um estudante de medicina, um gestor, uma engenheira têxtil e eu, de filosofia, a iniciar uma carreira no mundo da distribuição (estranho no mínimo ).Esta "salada russa" deu uma das noites mais interessantes da minha vida a nível intelectual.
Após ter chegado ao hotel, por volta das 2 horas da manhã, sentei-me na cama e escrevi o diário dessa noite.
E é esse pequeno texto que se encontra num velho bloco de notas que agora transcrevo, sem antes agradecer, mais uma vez ao Simão Carvalho, a possibilidade que me deu de viajar no tempo com a sua foto. Bem-haja Simão!

EME


 Paris - Diário de uma viagem
São 2 horas da manhã!
Acabo de chegar ao quarto. Estou fisicamente gelada, mas a minha alma está numa fogueira.
Que noite!
Hoje o passeio  foi mais uma vez maravilhoso.
Andamos por Montparnasse! Nem acredito que ando pelas ruas de Paris. Sinto-me embriagada com as luzes, as pessoas. Tudo é extraordinário.
Esta noite, ao sairmos do restaurante, cruzámo-nos com um senhor encostado à parede com um livro na mão que dizia: "Pensas que és feliz? Estás enganado! Andas iludido! Ouve a palavra do Senhor!"
Atrasei o passo e fiquei ali, tentando perceber aquele francês arrastado! O Paulo chamou-me e disse-me:
- Elsa, está aqui todas as noites. E, sabes que mais, costuma ter muita audiência. Hoje, com este frio, ficou sem público!
Achei graça! Um homem, numa rua de Paris, pregoando a sua fé...e afinal havia quem o quisesse ouvir.
Bom...adiante.
Como disse, passeamos por Montparnasse mas o frio era imenso. O Paulo lembrou-se então, de um cafezinho. (Esqueci-me de apontar o nome que chatice).
Até agora tem sido absolutamente maravilhoso, mas hoje a noite foi mágica. Quem me diria que estaria em Paris, num dia do início de Janeiro, com neve, aconchegada num café, durante horas a falar e discutir Filosofia? Para mim que começo agora outra carreira profissional, esta oportunidade foi uma oferta dos deuses.
De Platão a Kant, da filosofia oriental à vida ascética dos monges tibetanos, as nossas mentes viajaram por mundos extraordinários. E, no fim, ouvimos uma história extraordinária de amor, daqueles que já não existem!
Há momentos em que, se estar nada programado, tudo parece estar no seu lugar!
Se existem momentos perfeitos, esta noite foi sem dúvida um desses momentos!
Tenho a certeza que daqui a uns anos, relembrarei este serão, como um dos melhores da minha vida.
Bom, por hoje chega...tenho a alma a explodir...vou é dormir.
Paris...Janeiro de 1992


EME

2 comentários:

  1. Elsa,
    Fico feliz por uma foto, tirada num café onde vou tantas e tantas vezes, te mergulhe numa viagem ao passado, que pelos vistos ja previas ser relembrada no futuro! :)
    Ainda ontem, no quadro do meu trabalho, organizamos uma "Soirée philo" onde se discutiu a questão "Qual o Sentido da Vida?"!
    Parece que o mundo, numa visao espacio-temporal é muito limitado, porque entre 1992 e 2011 os caminhos cruzam-se! :)
    Beijinhos e obrigado por gostares das minhas fotos!

    ResponderEliminar
  2. Adorei a dissertação, é como se eu lá estivesse.

    ResponderEliminar