quarta-feira, 29 de junho de 2011

MANIFESTO DOS MEUS 49 ANOS

"Horizontes" foto by EME



Amanhã direi: tenho meio século de vida!
 Extraordinária esta afirmação! Meio século.
Perguntaram-me como pensava comemorar esta data. Pensei um pouco e, rapidamente, cheguei à conclusão que não a quero comemorar. Quero sim, celebrar hoje os 49 anos porque esses têm uma história, um percurso, um passado. Os 50 anos ainda estão por contar, por viver. Por isso vou comemorar hoje a minha história de vida, já escrita.
Para trás ficou uma infância feliz, de brincadeiras ao luar, numa altura em que a inocência não era apenas um vocábulo do dicionário.
A adolescência foi o despertar para o mundo dos homens que fazem guerras e nos roubam os sonhos. Percursos de amadurecimento que me tornaram melhor: a essência do que realmente importa, não é mensurável materialmente, mas sim em princípios e valores que definem, para sempre, a nossa essência como ser humano.
A Universidade, a descoberta da sexualidade, a magia da paixão, marcam a entrada na vida adulta, agora com maior consciência que os sonhos fazem parte da vida, mas que, muitas vezes, guardam-se na Caixa de Pândora, até que um dia, possa ser aberta.
No mundo adulto, a maternidade tornou-me portadora da única coisa que é eterna, efectiva…o Amor. Nos meus filhos, continuarei a existir para além da minha efémera passagem pela vida. Neles e através dos seus filhos, os meus “cromossomas” permanecerão.
Hoje, dia 29 de Junho de 2011 celebro 49 anos da vida que passou por mim; celebro a vida que em mim brotou; celebro os momentos em que sofri porque foram fonte de aprendizagem e tornaram-me mais humilde perante a vida e os outros; celebro os amigos que tive, os que perdi, os amigos novos que tenho e em especial, os amigos que preservei; celebro a dádiva de ter acordado todas as manhãs com vontade de viver.
Não me arrependo daquilo que fiz, apenas daquilo que deixei por fazer porque nunca saberei se perdi algo. Mas sinto-me profundamente grata à vida por aquilo que me deu até hoje e nada recebi, de bom ou de mau, que não fosse capaz de apreciar ou de suportar.
Sou plena e os meus 49 anos conferem-me o direito e a idoneidade de expressar aquilo que penso, sinto e já não preciso de provar nada a ninguém, a não ser a mim própria, sendo que essa, é mais dura e difícil caminhada que posso fazer…ser leal a mim mesma!
Não posso celebrar os meus 50 anos porque ainda estão para vir…são apenas futuro e esse é uma incógnita.
Agora, neste momento, ergo a taça aos meus 49 anos que apenas se definem numa frase:
Sou um Oceano de Afectos, nele nasci, nele morrei e assim serei lembrada!
EME


3 comentários:

  1. feliz dia amiga!
    Lindoooooooooooo como sempre!

    ResponderEliminar
  2. Querida EMME, brindemos os seus 49 anos bem vividos e brindemos a sua mãe que disse sim ao amor e sim à vida quando lhe deu a luz.
    Parabéns e FELIZ ANIVERSÁRIO!

    Com carinho,
    Mara

    ResponderEliminar
  3. Muito bom, não poderia estar melhor. Gostei imenso.

    Estou a pensar escrever algo assim quanto tiver 100 anos.

    ResponderEliminar