quinta-feira, 24 de outubro de 2013

Onde Somos...

Nesse ponto exacto
Tão inexacto
que não sabemos que ponto é
Nesse instante breve
Tão eterno
que o julgamos infinito

Submergem caminhos
Tão alinhados
que nunca saberemos para onde nos levam.

Um ponto
Um instante
Um caminho
Onde somos...
O quê?

Foto by Eme

quinta-feira, 10 de outubro de 2013

Sonho contigo ...Aqui!

Escrevo - te daqui, deste lugar onde sonho...onde sonho contigo.

Do nosso entardecer nesta planície que se faz do imenso espaço, onde  apenas cabem Tu e Eu..
Sonho...
Lado-a-lado, em silêncio, vemos as cegonhas que voam rumo a Sul.
Lado-a-lado, sentimos a brisa suave deste Outono que chega até nós.
Lado-a-lado, o olhar  vê ao longe , no horizonte, a miragem de nós mesmos.

Sentados nesta terra árida, vestida de capim seco, o tempo não corre, não passa.
Falo-te !
Falo - te de tanta coisa que já sabes, mas falo-te.
Quero que leves as minhas palavras, uma a uma, dita apenas com o coração.
Ouves- me!
Ouves-me vez sem conta e o teu olhar compreende esta minha necessidade de te falar daquelas pequenas coisas, tão pequenas que só tu entendes e vês.
Quero viajar contigo até onde nos levar esta vontade de permanecermos lado-a-lado.
Quero descobrir geografias que são recortadas na nossa memória porque só dela vivemos os nossos dias.
Hoje, aqui neste lugar, estive contigo , sentada a ouvir a música que o silêncio  faz quando nada mais é preciso. Apenas o silêncio, apenas a música que tu e eu ,compomos.

O sol deita-se de mansinho.
Tu e eu, de corpos nus entrelaçados, cobertos pelo azul suavemente nocturno, transpiram agora, gota a gota, o desejo e na imensa árida planície, duas árvores jazem serenamente à espera que um dia,  não tenham que acordar.

Escrevo-te daqui, onde sonho contigo.
Eme - "Memória de um Sonho"


Morro, Eu sei!


Morro, Eu sei!
Um pouco cada dia.
Morro, Eu sei!
Agarrada à terra árida
Deserto sentir
dos ventos agrestes do sul
À volta, secaram as flores silvestres
Há capim da cor de mel
amargo e quebrado neste mundo sem fim.

Morro, Eu sei!
Só. Despida. Em pé!

E lá longe está o vento
que não chega para me ressuscitar.
Eme